Há muitas coisas que nós cristãos precisamos aprender com o apóstolo Paulo. Paulo não foi somente um apóstolo, mas ele também foi um evangelista extremamente bem-sucedido (1 Co 9:19-23) e um excelente exemplo de como manter a fé diante do sofrimento (2 Co 11:23-28). Os cristãos devem imitar Paulo ao imitar Cristo (1 Co 11:1) e colocar em prática o que vemos em sua vida fiel (Fp 4:9).

A importância do domínio da apologética

Uma das áreas em que Paulo se destaca como exemplo cristão é no domínio da apologética. Quase imediatamente após a sua conversão, Paulo (Saulo) pregou aos judeus em Damasco “provando que Jesus era o Cristo” (At 9:22). Da mesma forma, está registrado que Paulo passou três dias de sábado em Tessalônica argumentando, explicando e provando que Jesus era o Messias tão esperado (Atos 17:1-3).

Embora a capacidade de Paulo de raciocinar e persuadir seus compatriotas judeus fosse admirável, sua interação com os filósofos gregos de sua época é o assunto que trataremos agora. A situação de Paulo em Atenas, em Atos 17:22-34, é muito semelhante ao nosso cenário hoje para a apologética, de vários modos. Assim como são as pessoas com quem nos engajamos hoje no discurso apologético, os filósofos do Areópago não acreditavam no Deus monoteísta do judaísmo nem nas Escrituras. A partir da abordagem de Paulo em Atenas, podemos aprender como abordar melhor os céticos e não crentes em nosso próprio contexto.

Como o cristão moderno pode imitar ao Apóstolo Paulo

A primeira lição apologética que podemos extrair do discurso de Paulo no Areópago é que precisamos buscar as plataformas com maior oportunidade para discussão. Esta lição se desenvolve na narrativa de Atos 17 de duas maneiras. Primeiro, Paulo procurou aqueles que estavam dispostos a se envolver no discurso. Em segundo lugar, Paulo aproveitou as oportunidades quando elas apareceram em seu caminho.

Antes que o apóstolo Paulo chegasse ao Areópago, ele estava debatendo todos os dias no mercado com as pessoas que estavam lá (Atos 17:17). Isso pode parecer um detalhe incidental, mas a Ágora (“mercado”) em Atenas era muito mais do que uma mercearia. A Ágora era “o centro da vida ateniense”. Paulo não estava na Ágora para bombardear pessoas inocentes com as provas da ressurreição de Jesus enquanto elas procuravam grãos ou tecidos para comprar. Ele estava tentando falar de Cristo no lugar que fosse mais eficaz. A Ágora era o centro da vida social e onde as ideias eram compartilhadas e debatidas. Assim, enquanto na Ágora, Paulo conseguiu conversar com alguns filósofos epicuristas e estóicos (Atos 17:18).

Onde há oportunidades de fazer apologética

Qual seria o lugar equivalente à Ágora hoje? É difícil dizer, uma vez que a vida moderna no Ocidente tem se distanciado de alguns aspectos da vida comunitária. Pode-se dizer, talvez, que a Ágora moderna seja a internet ou a mídia social (Facebook, Instagram ou Whatsapp). Talvez seja um Starbucks ou a universidade. Mas quaisquer lugares que sejam a Ágora de hoje, nós sempre conseguiremos uma em nosso contexto pessoal, e precisamos estar presentes nela para falar sobre Cristo. Nós sempre conseguimos achar um lugar na nossa comunidade (virtual ou real) onde podemos ir e tentar iniciar uma conversa sobre o Cristianismo com pessoas que demonstrem estar interessadas. Precisamos aprender com o Apóstolo Paulo e aproveitar esses lugares em nossas vidas, quaisquer que eles sejam. O foco de Paulo estava em ser o mais eficaz possível, e parte disso era ter alguma discrição e sabedoria em relação ao lugar onde ele iria proclamar a Cristo. A Ágora permitiu que Paulo falasse em público, para uma grande audiência. Era uma oportunidade boa demais para deixar passar.

Paulo não apenas buscou o lugar mais eficaz para falar sobre Cristo, mas esse esforço inicial levou a uma oportunidade maior que ele conseguiu aproveitar muito bem. A narrativa em Atos registra que, por causa da conversa de Paulo na Ágora, ele foi convidado a falar no Areópago, onde “os atenienses e estrangeiros residentes de nenhuma outra coisa se ocupavam senão de dizer e ouvir alguma novidade” (Atos 17:21). Paulo tinha acertado em cheio no local para aumentar suas oportunidades de ser apologético. Agora, Paulo conseguiu proclamar o verdadeiro Deus do Céu e da Terra para as pessoas que estavam interessadas em ouvir o que ele tinha a dizer.

É necessário se preparar

Há algumas coisas que devemos aprender com Paulo nessa narrativa. Como apologistas, precisamos não apenas estar presentes na Ágora do nosso tempo, mas precisamos também estar prontos para quaisquer outras oportunidades maiores que a Ágora possa nos trazer. Quer seja uma discussão com alguém que esteja particularmente interessado, ou um convite para algum tipo de evento, precisamos estar prontos para falar do Cristianismo com quaisquer pessoas que estejam dispostas a ouvir, indo até elas ou procurando-as. Se nós orarmos para que Deus nos apresente tais oportunidades, Ele vai nos apresentar, mas precisamos nos certificar de que estamos prontos para elas quando acontecerem.

Desse modo, a partir do contexto do discurso de Paulo em Atenas, precisamos aproveitar as oportunidades de maneira sábia. Encontre a “Ágora” em seu contexto e comece a orar e discutir. Quem sabe quais portas Deus poderá abrir para você quando você der início ao trabalho inicial?


Saulo Reis
Saulo Reis

Diretor do Acrópole da Fé Cristã e mestrando em Matemática pela Unifesp. Engenheiro de Computação por profissão; professor de Matemática por paixão; Teólogo por amor a Deus.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.